Salmo 077 - Saudades do Passado

 

A Deus eu clamo e grito, a Deus eu clamo, para que me ouça.
Agora, estou na angústia, procuro o Senhor. De noite, estendo as mãos, sem descanso, e minha alma recusa consolar-se. Se me lembro de Deus, gemo; se medito, meu espírito desfalece. Tu manténs abertas as pálpebras de meus olhos; a perturbação impede-me de falar. Relembro os dias passados, os anos de outrora. De noite recordo minha cantiga; o coração medita, o espírito indaga: "Acaso o Senhor nos rejeitou para sempre e não voltará a ser-nos favorável ? Acaso sua fidelidade se esgotou de todo, terminou suas promessas para as gerações ?
Acaso Deus se esqueceu de ter compaixão, ou a cólera flechou-lhe as entranhas ?"

Eu digo: "Sim, esta é a minha dor: está alterada a destra do Altíssimo". Recordo as proezas do Senhor, sim, recordo os teus antigos portentos, penso em todas as tuas obras, muito em teus prodígios. Teus caminhos, ó, Deus, são santos: que outro Deus é tão grande como nosso Deus ? Tu, ó Deus, fazes maravilhas, mostraste teu poder aos povos. Com teu braço resgataste teu povo, os filhos de Jacó e de José.

As águas te viram, ó Deus, as águas te viram e tremeram, até os oceanos estremeceram. As nuvens despejaram as águas, as pesadas nuvens retumbaram, e cruzaram-se tuas flechas. Ao reboar a trovada no turbilhão, os relâmpagos iluminaram o mundo; abalou-se a terra e tremeu. Abriste no mar teu caminho, tua passagem, nas águas profundas, sem que se pudesse conhecer teus vestígios. Guiaste teu povo, como um rebanho, pela mão de Moisés e de Aarão.

www.valever.com.br

[Voltar]